HOMEDOJO DO GARUDA ACTION FIGURES FILMES ANÁLISES

SONIC FORCES - ANÁLISE


Mediano é a palavra que melhor define o jogo.

    Sonic Forces foi o segundo jogo da franquia do Sonic lançado este ano. Primeiro tivemos o maravilhoso Sonic Mania, que trouxe o Sonic de volta ao seus tempos de glória em 16 bits. Certamente ter levado Sonic de volta a suas origens foi a melhor decisão que a Sega tomou para o seu Ouriço Azul nos últimos anos.
     Já o Sonic Forces, é mais um capítulo da tentativa da Sega de tentar fazer um jogo do Sonic no estilo 3D, mas, que acaba sem inovar nada e ainda consegue regredir em alguns aspectos, fazendo parecer que a Sega simplesmente não aprendeu nada com os jogos anteriores dos Sonic em 3D ou não está dando a mínima em tentar melhorar o jogo.
    Sonic Forces se passa em um mundo onde o Dr. Eggman praticamente conseguiu dominar o mundo, graças ao poder da Phantom Ruby e utilizado por uma de suas criações, chamado de Infinte (a Phantom Ruby é a mesma citada em Sonic mania). Com isso, resta ao Sonic e sua turma criarem uma resistência para lutar contra o Dr. Eggman.


     O jogo funciona praticamente do mesmo jeito que Sonic Generations, onde cada fase é jogada por um determinado Sonic (o antigo gordinho em 2D ou o moderninho em 3D) ou pelo seu avatar, que, por sinal é uma das novidades mais legais do jogo.
Como o Sonic é capturado pelo Dr. Eggman no começo do jogo, as primeiras fases são jogadas com um personagem da resistência que você precisa criar.
   O sistema de criação de personagens é bem legal, pois, ele te dá um leque bem grande de possibilidades, deixando você escolher que tipo de animal você quer ser, que tipo de rosto, boca, voz cores e até roupas você quer utilizar e até mesmo que tipo de arma você quer que ele use.
No começo as possibilidades de customização são deveras pequenas, mas, no decorrer do jogo você vai desbloqueando dezenas de itens de customização, que, passam da casa dos quinhentos itens! Essa variedade de itens de customização é bem divertida e faz com que seu personagem acabe se tornando único devido a enorme quantidade de itens para personalizá-lo, graças a isso você acaba ganhando um apego maior ao seu personagem criado, pois, como a quantidade de possibilidades de itens, cores e faces, seu personagem dificilmente ficará igual ao de todo mundo, como acontece com a maioria dos personagens criados em jogos.
     Também vale mencionar que cada animal no jogo possuí uma habilidade especial própria, como o pássaro, por exemplo, que pode dar saltos duplos, o cão continua com alguns anéis quando é atingido, e, por ai vai.


    Na maioria das vezes as fases são dividas em três atos, um ato com o Sonic moderno, outro ato com o Sonic Clássico e outro ato com o Avatar. Existem algumas exceções, como a fase do Cassino que só é jogada pelo Sonic clássico, e algumas batalhas de chefes. Em algumas fases também é possível jogar com o seu Avatar e o Sonic ao mesmo tempo, o que é bem divertido, diga-se de passagem.


    Falando das fases, creio que esse seja o principal problema do Sonic Forces. As fases são muito confusas, lineares o level design de muitas delas é horrível e para piorar tudo, todas as fases curtíssimas demais. Muitas vezes quando você está começando a se divertir na fase, ela acabou.
Algumas fases do jogo chegam a ter apenas um minuto e meio de gameplay, e, isso é algo extremamente frustrante.
    Como se o péssimo design das fases já não fosse ruim o suficiente para o jogo, eles tiraram um dos movimentos que Sonic Moderno tinha quando estava correndo super rápido, que mais ajudavam a manter o controle do personagem, o botão de Drift, que, tinha em Sonic Unleashed e Sonic Generations foi tirado em Sonic Forces,  fazendo com que seja impossível conseguir controlar o Sonic moderno em uma curva quando ele está em alta velocidade. Agora, junte isso a fases como Metropolis, onde alguém teve a brilhante ideia de colocar espaços onde o Sonic pode cair para fora do cenário e morrer durante as curvas. É algo muito frustrante.
     Isso sem contar os buracos colocados em lugares aleatórios fazendo com que você morra ao tentar atacar um inimigo ou em momentos em que o Sonic está correndo em alta velocidade, fazendo com que seja quase impossível desviar dele na primeira vez que se está jogando a fase.


    Na campanha do Sonic clássico, temos inimigos colocados em lugares aleatórios, e muitas vezes em uma quantidade muito maior do que o normal, como acontece em Ghost City, onde por algum motivo resolveram colocaram uns dez inimigos em um único ponto da fase fazendo com que seja impossível não tomar dano ou morrer na primeira vez que se está jogando na primeira fase.
    Outra coisa que me incomodou com o Sonic clássico é feeling de estar jogando com ele. Não sei o motivo, mas jogar com ele em Sonic Forces não me passa a mesma sensação de eu estar jogando com ele em Sonic Mania ou até mesmo Sonic Generations. O Sonic clássico do Sonic Forces me parece muito mais lento e com uma movimentação bem mais truncada do que as suas versões anteriores. Até mesmo quando utilizamos o item da bota, o Sonic ainda se movimenta de forma lenta. Eu simplesmente não consigo jogar com o Sonic clássico em Sonic Forces e ter aquele sentimento que eu tinha em Sonic Generations de estar jogando com o mesmo Sonic da época dos 16 bits.


    Ainda sobre o Sonic clássico, uma coisa é inegável. ele só está presente em Sonic Forces para fazer fan service e para tentar vender o jogo para os fãs das antigas do Sonic, pois, sua presença no jogo além de questionável, não foi bem explicada e para piorar de vez, ele aparece em muito menos fases se comparado ao Sonic moderno e ao Avatar. E em todas as fases que ele aparece são praticamente as fases clássicas, como Green Hill, Cassino, Chemical Plant ou até mesmo aquela clássica luta de chefe da primeira fase de Sonic the Hedgehog de Mega drive, que já tinha dado as caras em Sonic Generations, deixando assim ainda mais descarado que a sua presença em Sonic Forces é apenas para tentar alavancar as vendas do jogo.


    Sonic forces é um jogo relativamente curto para os padrões de hoje, sendo possível terminar em apenas uma sentada, pois a média que a campanha do jogo dura é de três a quatro horas morrendo, sendo que boa parte deste tempo é destinado a cutscenes, ou seja, se você não estiver nem um pouco se lixando para história e sair cortando todas as cutscenes duas horas é o tempo máximo que você vai gastar para terminar todas as trinta fases de Sonic Forces e suas fases especiais.
A história apesar de tentar te manter envolvido, ela acaba sendo rasa e sem graça demais para se tentar levar a sério. Muitos acontecimentos do jogo são questionáveis e sem sentido, como o fato do Sonic clássico estar de volta no jogo, ou pior, o Dr. Eggman conseguir enfim derrotar o Sonic, mas ao invés de matá-lo, ele resolve deixá-lo preso em sua estação espacial por seis meses? Por que diabos você deixaria a única pessoa que pode atrapalhar seus planos vivo, por seis meses sendo que você tem a chance de matá-lo?
   O vilão Infinite tenta ser um personagem carismático, mas acaba caindo na mesmice de outros vilões personagens esquecíveis da franquia, fazendo com que você não tenha interesse nenhum em saber quem ele é, quais são suas motivações como ele consegue utilizar a Phantom Gem e coisas do tipo.
    Como se não bastasse, é irritante demais ver o Sonic com aqueles papos de "poder da amizade", algo que além de ser muito clichê já está se tornando irritante demais na franquia do Sonic, na minha opinião. Sinceramente, ver o Sonic fazer seus discursos sobre a amizade só não é pior que a tentativa embates intelectuais entre o Tails e o Dr. Eggman toda a vez que eles se encontram no jogo.


    O fator replay de Sonic Forces não é nada motivador, já que depois que se termina o jogo, a única coisa que resta para fazer no jogo são pegar os coletáveis, que por sinal são muitos, mas, que servem mais para enche-linguiças pós jogo pois, muito provavelmente eles ficaram com preguiça ou não quiseram fazer um jogo maior, então, resolveram encher o jogo com vários tipos de coletáveis que são desbloqueados conforme você pega todos os coletáveis anteriores. Por exemplo, quando você pega todos os Red Rings da fase, é desbloqueado as Numbers Rings, e, quando você coleta todas as Number Rings, é desbloqueado as Moon Rings. Por que não colocaram todos os coletáveis de uma vez na fase ao invés de te fazer ter que repetir a mesma fase no mínimo três vezes para coletar todos os coletáveis que no fim das contas não servem para nada?
   Para não dizer que os coletáveis não servem para nada, eles podem desbloquear as fases EX no jogo, que são fases mais difíceis, ao completar essas fases, você ganha mais itens para o seu avatar.
Além disso, temos também missões SOS, que são apenas terminar uma das trintas fases do jogo sem morrer. A única coisa realmente legal nas missões SOS é que algumas te deixam jogar com o Avatar de outras pessoas. Mas, como o jogo tem a opção de "Rent a avatar" que te possibilita escolher e um usar ou avatar de alguém para jogar em qualquer fase do avatar, essa opção da missão SOS acaba sendo apenas mais um enche jogo sem propósito.
   A única motivação real para se jogar o jogo uma segunda vez é para desbloquear mais itens de customização para o Avatar ou para pegar os troféus/conquistas do jogo, pois, tirando isso não há mais nada que me faça querer jogar novamente o jogo todo uma segunda vez.


    Mas nem tudo são reclamações em Sonic Forces. Entre outros pontos positivos que posso destacar é o gráfico do jogo, que está lindíssimo, tanto dos cenários quanto dos personagens e das cutscenes. Jogo está deslumbrante neste estilo. As músicas também, como na maioria dos jogos do Sonic, são o ponto alto do jogo e encaixam perfeitamente com o clima da fase. Eu mesmo já estou com a Música do Space port do Sonic moderno e a Fist Bump cantado pelo Douglas Robb da banda Hoobastank na playlist do meu celular.
   Mesmo com os defeitos e pouco tempo de jogo não posso negar que Sonic Forces é um jogo divertido. Pegar ele para jogar de forma descompromissada torna a experiência bem divertida. É legal correr freneticamente pelo cenário atropelando todo mundo no caminho com o Sonic, é legal demais se balançar pelas fases ou bater nos inimigos utilizando as armas do seu Avatar e não há nada mais satisfatório no jogo do que as fases que o Sonic junta suas forças com o seu Avatar e saem correndo em uma velocidade absurda destruindo tudo no caminho enquanto toca a música Fist Bump.


    Não vou dizer que esperava algo melhor do Sonic Forces, porque seria uma mentira, pois, se desde 2006 até o generations eles não acertaram a mão em fazer uma formula do Sonic 3D que funcione de forma 100% satisfatória dificilmente seria Sonic Forces o jogo que mudaria isso. Minhas expectativas quanto ao jogo eram baixíssimas, e eu nem pretendia comprá-lo tão cedo, porém, o que acabou me motivando a comprar Sonic Forces no seu lançamento foi o seu valor convidativo de  R$ 149,90, valor esse que no Brasil são praticados apenas para lançamentos de jogos Indies ou jogos Remasters. 
    Apesar do preço convidativo Sonic Forces peca com a falta de uma dublagem ou até mesmo de uma legenda em Português no jogo mostrando que a Sega, assim como a Nintendo não está nem ai para o seu público Brasileiro.


  Sonic Forces é um jogo que poderia ser ambicioso, mas acaba indo pela mesmice dos jogos anteriores e ainda piorando ou retirando algumas mecânicas essenciais do jogo, fazendo com que ele seja apenas mais um jogo mediano esquecível do Ouriço azul mais legal dos vídeo-games. O lado bom é que o Sonic Mania está ai firme e forte, mostrando que o Sonic ainda pode dar certo nessa nova geração de consoles, se for feito de forma correta. Algo que não aconteceu com Sonic Forces.
    Se você é fã de incondicional do ouriço azul, esse jogo certamente vai te agradar, pois, mesmo com a sua qualidade duvidosa, ele ainda é um jogo muito divertido. Caso você não seja, mas quer dar uma conferida, vale mais a pena esperar mais alguns meses por alguma promoção ou queda de preço para poder tê-lo em sua coleção.

Obrigado pela visita.

Continue lendo

LINHA VYNL DA FUNKO - THUNDERCATS, FREDDY E JASON - UNBOXING E REVIEW



    Lançados há alguns meses, a nova linha de bonecos cabeçudos estilizados da Funko chamada Vynl trás uma proposta um pouco mais diferente da Linha Pop, apesar de primeira vista lembrar bastante. Por enquanto essa linha tem apenas quinze produtos anunciados, e dos quinze produtos até o momento nove produtos foram lançados. O primeiro que deu as caras de forma discreta foi uma edição de 2500 bonecos da Batgirl e Poison Ivy lançados na SDCC. Alguns meses depois na época da NYCC vieram o Lion-o e o Mumm-ra também foram exclusivos da Comic-Con, mas não em edições limitadas, e, juntamente com eles vieram outros bonecos para compor a linha, como Freddy e Jason, Stranger Things e O Estranho mundo de Jack e até o Mágico de Oz.
    Dos que foram lançados, esses dois (ou quatro) bonecos foram os que me mais me chamaram a atenção a ponto de eu querer dar uma olhada melhor neles. Nesse Unboxing vamos conferir se vale ou não a pena dar uma conferida e colecionar os bonecos da linha estreante da Funko, começando pela duplinha do mal:


    A primeira coisa que tenho a dizer sobre a linha Vynl é que aparentemente eles só serão lançados em duplas. O que é bem legal e ao mesmo tempo bem ruim,  já que, provavelmente haverão duplas onde você será obrigado a pagar por dois para ter apenas um personagem que goste, ou, aquelas duplas polêmicas onde eles colocam um personagem mais conhecido que todo mundo gosta e vai comprar junto com um que quase ninguém gosta, te obrigado assim a ter que comprar os dois para ter apenas o que você gosta. 
    Falando da caixa em si, ela é bem bacana, principalmente esses detalhes de sangue nela, que dá um charme único para os bonecos de terror. 


   A caixa é de um papelão bem mais duro que os das outras linhas da Funko. Ela é do mesmo material que os pops grandes ou os Rides, o que é bom, pois, a chance dela amassar em uma queda é bem menor que as das caixas de pops, por exemplo, que se você derrubar ela é 90% de chance de que ela vai estragar toda. 


    Ao abrir a caixa, temos uma das prováveis versões mais fofinhas do Freddy Krueger e do Jason Voorhees que eu já vi. Assim como os Pops, os Vynls não possuem articulações. Somente a cabeça deles se mexem, assim como os Pops.


    Junto com eles acompanha uma base, para eles ficarem de pé por causa do Cabeção que eles têm em relação ao corpinho fino. No caso do Jason e do Freddy eles conseguem ficar de pé sem precisar da base sem nenhum problema, o que é ótimo pois, se não conseguisse, já haveria um problema em uma das figuras.


    Simplesmente não é possível colocar a base nos pés do Jason. Eu tentei ambas as bases, de todos os lados possíveis e elas não entram no Jason. No Freddy Krueger a base entra normalmente sem esforço algum, mas, a base do Jason não encaixa. Nem mesmo forçando o boneco para entrar na base ele encaixa. 


    É como se o buraco do pé dele fosse menor que a base. Não sei se isso acontece com todos os Jason da Vynl, mas, creio eu que não. Acho que seja apenas aquele famigerado péssimo controle de qualidade da Funko mesmo já refletido nos primeiros bonecos dessa linha e eu fui o sorteado com o Jason Voorhees. Como ele consegue fica de pé sem ainda dá para relevar esse problema. 


    Antes de ter eles em mãos eu pensava que eles seriam maiores que os Funko Pops, pois, era o que aparentava nas fotos, mas, ao medir os Vynls do Freddy e Jason com suas respectivas versões em Pops dá para perceber que a diferença de tamanho deles é praticamente mínima. Talvez seja o corpo fino que tenha dado uma impressão de que eles seriam maiores que os Pops.
    Se de altura eles são praticamente iguais, de cabeça a história é outra. Os Vynls são ainda mais cabeçudos que os Pops e com os corpos bem mais finos.


    Falando um pouco do corpo. Não tem como não olhar para esse corpinho e não lembrar logo de cara o corpo de um boneco Lego. O corpo da linha Vynl é praticamente igual da de um lego, a única diferença mesmo são os pés que são pés normais e as mãos, que, também são normais contando dedos e não garras, como os Legos.


    O rosto deles é uma característica que eu gostei bastante, pois, ao contrário das outras linhas da Funko onde os rostos são praticamente todos padronizados, aqui temos rostos com expressões faciais diferentes, dando assim um toque único a cada peça.


    Pessoalmente eu gostei bastante tanto do Freddy quanto do Jason nesse quesito, pois, enquanto o Freddy tem uma aparência mais alegre o Jason já veio com uma pinta mais de carrancudo, o que deixou dupla bem bacana para serem colocados lado a lado.


    Infelizmente nem mesmo a nova linha escapa daquelas falhas de pintura e sujeira nos bonecos. Enquanto o Jason Voorhees tem alguns pequenos detalhes mal pintados na sua jaqueta e uma sujeirinha na parte de trás da cabeça, o Freddy já veio logo com uma falha bem no meio do rosto em uma das suas cicatrizes  e uma pinta de sujeira no rosto, bem perto da falha de pintura, como pode ser visto na foto acima. Como eles são os primeiros, da linha e já estão assim, então é praticamente certo afirmar que esse tipo de defeito de pintura também será um mal presente na linha Vynl também.
    Outra coisa que não gostei na figura do Jason (para variar) foi a posição do facão. Se você subir algumas imagens acima onde falo que o corpo deles lembra muito lego, verá na foto do corpo do Jason que o facão fica enfiado na cabeça dele e não tem como tirá-lo de lá. Apesar de ser um detalhe bobo, não consigo parar de olhar aquilo e ficar pensando qual seria o motivo do Jason estar enfiando o facão no próprio pescoço.


    Apesar de tudo, ainda sim o Freddy e Jason me agradaram bastante. Principalmente no quesito do rosto, que foi o que eu mais gostei em ambas as figuras. Apesar de ser mais fã do Jason, preciso confessar que gostei muito mais do boneco do Freddy dessa duplinha.
    Agora vamos dar uma conferida nos bonecos do Thundercats


    Lion-o e o Mumm-ra foram peças exclusivas da New York Comic Con. Felizmente eles não saíram em uma quantidade limitada de peças como aconteceu com a Batgirl e a Poison Ivy, o que faz com que encontrá-los a um preço pagável não seja difícil.


   Não vou mentir... Amo quando meus bonecos têm esse selinho de Comic Con limited edition, independente de serem ou não da Funko.


    Ao contrário da caixa do Freddy e Jasono lado de trás do Vynl tem uma foto do dos bonecos, o lado de trás do Lion-o e Mumm-ra têm algumas imagens do desenho. Pessoalmente eu gostei bem mais.
    Acho engraçado eles colocarem "classic" embaixo do Thundercats... Será que eles odeiam tanto o reboot a ponto de colocaram "classic" embaixo para tentar se desvencilhar daquele reboot de 2011, que, nos primeiros episódios mostrava um grande potencial, mas, que se perdeu por não saberem se queriam fazer algo para agradar o público antigo que assistia Thundercats na infância ou se era para agradar os filhos do público que assistia Thundercats. Dai a mistura de episódio maduros demais com episódios bobos demais, acabou não agradando ninguém e por fim a série foi cancelada sem sabermos se o responsável principal foi a desandada no roteiro ou a baixa venda de brinquedos dos Thundercats que motivou o cancelamento da série com 26 episódios (pessoalmente eu chutaria a segunda opção). 


    Voltando a falar dos Vynls, eu tenho que admitir que se não fosse pelo Mumm-ra provavelmente não teria comprado esse pack, pois, apesar de ser o personagem principal, o Lion-o está entre os últimos da minha lista de personagens favoritos dos Thundercats, já o Mumm-ra, bem, ele só perde para o Panthro no meu favoritismo. Isso novamente reforça o que eu disse anteriormente sobre você querer um boneco e ser obrigado a levar outro que talvez não te agrade tanto assim...


    Ao contrário do Freddy e Jason, Lion-o e Mumm-ra não conseguem ficar de pé sem a base, o que não chega ser nenhuma surpresa, levando em conta esse cabelo gigantesco do Lion-O e o tanto de apetrechos que o Mumm-ra tem na cabeça. Felizmente ambos entram normalmente em suas respectivas bases sem problema algum.


   Lion-o ficou com uma aparência bem abobalhado, mas quando digo abobalhado digo no bom sentido, pois, ele ficou muito legal assim. Ele parece como se pertencesse a um desenho versão  "baby" do Thundercats feita no estilo atual de desenho da Cartoon Network. Abaixo mais algumas imagens dele:




    Uma coisa que me decepcionei um pouco no Lion-o foram os cabelos. Tiveram tanto trabalho para fazer esse cabelão dele voando ao vento, mas deixaram de lado os detalhes dele. Sério, muitos Funkos pops Atuais dão de dez a zero nesse Vynl no quesito cabelo.


    Agora, esse Mumm-ra, o que mais posso dizer desse Vynl dele além de que ele ficou incrível e que foi de longe o meu favorito dos quatro bonecos?


    O Mumm-ra conseguiu de se mesclar aos traços botinhos da proposta da Vynl sem perder seu ar de malvado e poderoso, e, isso deixou a aparência dele muito legal. Isso sem contar que ele é muito mais detalhado que os outros. Veja mais algumas fotos dele:




   Mumm-ra ficou de longe o melhor Vynl do pack do Thundercats, na minha opinião. Eles conseguiram de modo magistral transformar o Mumm-ra em uma versão bonitinha sem perder os traços do personagem. Até o presente momento posso afirmar sem sombra de dúvidas que ele é o meu Vynl favorito.


     O quesito detalhes, o Mumm-ra tem apenas uma pequena falhinha de pintura quase imperceptível na barriga, um pouco abaixo do símbolo no seu peito e algumas partes das cores do capacete vazando do contorno e indo para o rosto do personagem, como pode ser visto na imagem acima. Porém, nada de tão gritante assim.



    Já o Lion-o Não tem nenhuma falha de pintura, porém ele tem um péssimo acabamento na parte debaixo da sua cabeça. Como está escondido dá para relevar esse problema.
   Por fim outra coisa que me incomoda no Mumm-ra são as cobras no seu capacete, que estão posicionados de forma errada. 


    Como pode ser visto as cobras do capacete do Mumm-ra ficam viradas uma de frente para a outra, como se fossem chifres. Já a versão Vynl eles estão virados para frente. Até poderia deixar passar esse detalhe, se a foto de de divulgação dele também não estivesse mostrando o boneco com as cobras na posição correta como pode ser visto na imagem abaixo.

    A princípio até cheguei a pensar que o meu Vynl tinha vindo com algum defeito, mas, quando procurei por mais imagens e vídeos de unboxing na internet vi que esse detalhe das cobras está presente em todos os Mumm-ras da Vynl. Então, por algum motivo que bizarro, decidiram que na versão final do boneco do Mumm-ra as cobras ficariam em uma posição diferente do que realmente deveriam ficar. Será que o pessoal da  Funko planejou fazer essa mudança ou eles não se tocaram dessa mancada na posição dos chifres na hora de fazer o produto final e acabou e passando desapercebido esse detalhe? Vai lá saber....


     Apesar de ser muito fã de terror, especialmente do Freddy Krueger e do Jason Voorhees, tenho que admitir que gostei muito mais da duplinha Vynl do Thundercats, principalmente pelo Mumm-ra que ficou legal. 


    No geral a linha Vynl tem um ótimo potencial que se for bem explorado pelo pessoal da Funko, será uma nova mina de dinheiro em bonitos estilizados bonitinhos. Levando em consideração os quatro bonecos que eu adquiri, meus sentimentos foram mistos entre gostar e não gostar. Ao mesmo tempo que gostei da proposta de fazer uma versão Funko pop um pouco mais diferenciada, com o rosto mais detalhado e ao mesmo tempo mais cartunesco, a linha não me agradou no quesito falta de detalhes na peça, e no design do corpo, que, além de serem muito pequenos, lembram muito os corpos dos bonecos da linha Lego.
    Vale a pena dar uma conferida? Eu diria que sim, vale a pena dar uma conferida e comprar alguns bonecos, mas, colecionar a linha... no presente momento desta postagem eu diria que não. Comprar um outro boneco dos personagens que você gosta até acho válido sim, eu pessoalmente pretendo terminar a linha Thundercats da Vynl, pois, não tive como completar nenhuma coleção dos Thundercats, tanto da Funko quanto de qualquer outra marca, então, se a Vynl tiver todos os personagens, certamente comprarei para poder ter uma coleção com todos os personagens de Thundercats. Também, quando lançar também pretendo pegar o Georgie e o  Pennywise desta linha. Mas, fora estas exceções, só se o personagem que lançarem para a linha for um personagem que eu goste muito para justificar a compra, pois, entre eles e a linha Funko Pop, ainda prefiro mil vezes a linha Pop,  que, além de serem mais bonitos, mais detalhados e custarem menos da metade do preço, eu posso comprar quais eu quero sem ser obrigado a levar outro que eu não goste, pois a maioria dos Pops são vendidos de forma unitária, assim não me obrigando a ter que pagar o preço de dois bonecos para ter apenas um boneco que eu goste de determinada franquia.


    Obrigado pela visita!

Continue lendo

30TH ANNIVERSARY STREET FIGHTER MYSTERY BOX FUNKO POP - UNBOXING E REVIEW


     Apesar de Street Fighter também ter feito parte da minha infância, admito que ele quase sempre era a minha última escolha para jogos de luta, pois geralmente eu acabava optando por outros títulos de pancadaria como Mortal Kombat, The King of Fighters ou Samurai Showdown, por conta disso, não sou daquele tipo de gamer que idolatra a franquia Street Fighter. Porém, mesmo não sendo do tipo de fã mais assíduo desta franquia de pancadaria, tenho que admitir que ela ajudou muito a desenvolver meu gosto por certos tipos de personagens digamos mais peculiares, como por exemplo os gordos, velhos e magrelos, isso, graças ao carisma que todos os personagens de Street Fighter possuem fazendo com que você acabe gostando e aprendendo a jogar com eles por sua carisma, e, não por por ter um porte de lutador ou por ter cara de mau. E, por mais bizarro que isso possa parecer, Street Fighter também foi um dos jogos que serviu de catalisador para me apresentar as artes marciais quando criança. Mesmo que seja de modo completamente errôneo do que ela realmente é, ainda sim temos todo o tipo de variedades de artes marciais em Street Fighter, e graças a personagens como E. Honda ou até mesmo o mais recente Hakan, somos apresentados a vários tipos diferentes de lutas que existem ao redor do mundo, e, apresentar algo como o Sumô em uma época que só existiam Kung Fu, Karate e Ninja, foi meio que algo surreal para mim em meados dos anos noventa. 
    Pessoalmente eu só comecei a realmente apreciar essa franquia de jogos de luta depois de adulto, pois, foi quando realmente comecei a entender o valor e o peso que a franquia de luta tem na história do games. Mesmo hoje em dia ainda não troco Street Fighter por um The King of Fighters ou Mortal Kombat, porém, hoje em dia sei que o peso do Street Fighter no mundo dos games é muito maior que os outros jogos de luta, por isso ele tem possui uma legião de fãs e admiradores até os dias hoje.
   Como hoje em dia eu também posso dizer que estou entre essas pessoas que admiram Street Fighter, nada melhor que analisar a caixa comemorativa Gamestop da Funko de trinta anos da franquia de luta mais importante do mundo.
     Após esse longo textão sobre Street Fighter, vamos logo ao que interessa, o unboxing da caixa!


    Antes de Abrir a caixa tem um ponto que gostaria de mencionar. De todas as caixas da Funko que já fiz unboxing, a da Gamestop é a única que vem totalmente lacrada, com direito a plástico e tudo.
    Achei isso muito legal, pois, dá uma sensação de que você está comprando algo novo, mostrando uma preocupação da Gamestop com o produto, algo que não acontece com as outras caixas da Funko que vem com um durex na caixa e pronto, essa é a única indicação que você tem que a caixa não foi violada.


    Ainda falando da caixa, tenho que destacar outras duas coisas, como por exemplo que ela é bem menor que as caixa da Disney Treasure, Marvel Collector Corps e DC Legion of Collectors
O material da caixa eu também achei bem melhor que o material de todas as outras caixas da Funko já analisadas aqui, pois, a caixa é feita com aquele material de papelão que parece mais plástico (não sei o nome do material deste papelão) ao contrário das outras que parecem aquelas caixas de papelão comuns.


    Abrindo ela, já é possível ver praticamente todo o conteúdo da caixa. Nada de duas aberturas na caixa como acontece nas outras caixas da Funko e nada de Broches e Patch. O que você está vendo é o que tem na caixa. Claro que para você que está olhando pela foto não é possível ver tudo, então, vamos olhar mais a fundo no conteúdo item por item.


    Ao contrário das outras caixa que costumam vir uma camiseta, essa caixa da Gamestop vem um boné preto com o logo de 30 anos do Street Fighter da Funko. Abaixo mais algumas fotos:



    Como pode ser visto, ele tem ajustador de tamanho, o que é ótimo, já que ajustador de tamanho é algo que esta virando incomum nos bonés hoje em dia. Eu também achei o material do boné muito bom. O logo de 30 anos costurado no boné também ficou uma beleza. Pena não ter mais fliperamas por ai, pois, seria bem legal ir numa máquina de Street Fighter desafiar o pessoal usando esse boné.


Junto com o boné tem dos Pint size Heroes e um Chaveiro do Akuma exclusivo da Gamestop. 


    A versão do chaveiro do Akuma que vem na caixa utiliza as cores alteradas do jogo, só não sei dizer se é a versão player 2 dele. Pessoalmente falando eu gostei do cabelo laranja e das roupas vermelhas, tanto é que se a Funko lançar um boneco do Akuma nesta cor será compra certa para a minha coleção.  


     O chaveiro do Akuma também me impressionou bastante, pois, assim como aconteceu com o unboxing da caixa do Superman onde analisei um chaveiro do Superman da Funko, eu achava que o controle de qualidade duvidoso da Funko para com seus produtos ocasionaria em um chaveiro com uma qualidade ainda pior que alguns bonecos no quesito pintura. Felizmente tanto o chaveiro do Superman analisado anteriormente quanto este chaveiro Akuma vieram sem nenhuma falha de pintura. Isso sem contar que os detalhes do chaveiro ficaram tão bem feitos que ouso dizer que ele não perde em quase nada para a versão grande do Akuma. O chaveiro é literalmente um Funko Pop de cinco centímetros.


    Esta é a primeira vez que tenho em mãos um boneco da linha Pint Size Heroes. Pelo que pude notar, os Pint Size Heroes são praticamente Dorbz menores e sem a cara de super alegre que o Dorbz tem. 
    Quando vi o saquinho fechado, achei que os bonecos seriam aleatórios, pois, geralmente essas coleções da Funko são com bonecos sortidos dentro dos saquinhos, mas, no caso dessa caixa do Street Fighter os dois bonecos dentro do saquinho do Pint Size Heroes são sempre os mesmos, que são: 


A Chun-li e o Guile, também com outras cores. 



    Como pode ser visto na primeira imagem acima, os bonecos têm metade do tamanho de um Dorbz comum, ou seja, cada boneco deve ter bem menos que cinco centímetros de altura cada. Na verdade, creio que até menos que cinco centímetros, já que, como pode ser visto na segunda imagem acima, eles são menores que o chaveiro do Akuma, e, mesmo se não tivesse esse cabelão que ele tem, ainda sim ele seria maior que os Pint Size Heroes.


    A Chun-li ficou muito elegante com essa roupa preta. Fora que a bonequinha dela ficou uma gracinha. Ela tem algumas falhas de pintura na roupa e uma marquinha preta no rosto, mas não é nada tão gritante assim, tanto é que é praticamente imperceptível na foto.


O Guile também não fica atrás. Mesmo com sua cara de mau e sem sobrancelhas, ele também é bonitinho com seu próprio estilo de soldado americano machão. Abaixo mais algumas fotos do casal:



    Apesar de serem bem bonitinhos e fofinhos e bem estilizados, eles conseguem manter a essência dos dois personagens, mas, o tamanho deles ainda me incomoda um pouco. Eu achei que eles são muito pequenos. Pra mim eles deveriam ser pelo menos uns dois centímetros maiores. 
    Porém, tenho que dizer que no quesito rosto, gosto mais do estilo deles do que o estilo dos Dorbz, já que, eles possuem rostos e expressões faciais diferentes, enquanto os Dorbz não.
    Agora, vamos a atração principal da caixa da Gamestop:


    O Hot ryu da Funko foi originalmente lançado apenas em eventos na Ásia, tornando-se um item um pouco mais caro e difícil de se achar, caso você não more nos países asiático. Como ele não ganhou uma versão no ocidente, creio  eu que esse tenha sido o motivo de resolveram colocar uma versão com cores alteradas do mesmo boneco nessa caixa, o que é bem legal para os fãs que querem ter uma versão do boneco, mas não tem dinheiro ou não quer pagar caro na versão exclusivo do Hot Ryu, fazendo com que ele seja uma edição mais barata e fácil de se achar, o que é uma ótima opção para quem não liga para as cores em si. 
    O Violent Ken qie acompanha o Hot Ryu na caixa não passa de uma "reciclagem" da edição exclusiva do Ken vendida na Toys R Us. A única diferença é que ele ganhou uma pintura nova para ficar igual o Violent Ken, e, assim ser vendido como "outro personagem". 


    Eu mesmo sou uma dessas pessoas que queria ter uma versão do Hot Ryu na coleção. Mesmo o Ryu estando entre os personagens que mais odeio na franquia Street Fighter, eu adorei muito esse visual alternativo que ele ganhou em Street Fighter V. Tanto é que até hoje acho que essa deveria ser o visual padrão dele no jogo, ao invés do modelo clássico que todos já estamos acostumados. Como não estava muito animado em pagar na média de 250 reais para ter a versão com cores originais do Hot Ryu, essa versão da Gamestop com todo esse conteúdo veio bem mais a calhar, ainda mais levando-se em conta que ela custou 200 reais, ou seja, 50 reais a menos do que pagaria em apenas um boneco, e ainda recebi junto o Violent Ken, um boné e mais dois bonecos.


    Falando do boneco do Ryu, uma coisa que reparei logo que peguei a caixa dos bonecos foi o descuido deles na imagem do Ryu caixa, pois, na caixa ele é mostrado com faixa que ele usa na cabeça na cor vermelha e sua faixa da cintura e luvas de cores pretas, mas as cores reais do boneco são diferentes, como pode ver, a bandana e faixa são amarelo e as luvas são da cor azul. Apesar de ser um detalhe um tanto quanto bobo, ver uma imagem assim na caixa do produto final mostra que eles não tiveram um cuidado maior em revisar como estava a caixa do produto. Deixando uma impressão que quem fez o design da caixa nem sequer chegou a ver quais seriam as cores usadas pelo boneco, só pintou a calça do desenho e estampou na caixa.


     No Geral o Ryu é bem bonito. Essa versão do boneco é bem detalhada, principalmente nos cabelos e na barba. Outros dois detalhes que também chamaram a minha atenção, foram as cicatrizes no corpo e a escrita na faixa. Abaixo mais algumas fotos dele: 






    O detalhe de pintura mais gritante no Hot Ryu é o mesmo mal que todos os bonecos com barbas, bigodes e qualquer outro tipo de personagem com pelos faciais  feitos pela Funko sofrem. A pintura sempre está fora ou abaixo da linha demarcada da barba do boneco, deixando sempre uma linha de falha de pintura no boneco ou com a pintura da barba passando a linha da barba e indo para o rosto. Você pode pegar qualquer boneco com barba de qualquer outra linha, como Game of Thrones, Star Wars ou qualquer outra coisa e verá que sempre terá esse problema na pintura da barba deles. Nesse caso da barba do Ryu, eu prefiro menos do que mais, então, essa linha na barba dele é um detalhe que não me importa tanto.
    Fora esse detalhe da barba a parte de trás do boneco tem uma mancha preta bem na bunda (dá para ver na terceira foto), que, com certeza não foi feita propositalmente para parecer sujeira.
Mesmo assim eu gostei bastante dessa versão do Ryu, ela é bem estilosa, assim como a versão do jogo. Ficou bem lindão.


    Mesmo não tendo tantos detalhes quanto o Hot Ryu, a versão do Violent Ken, também não deixa a desejar. O boneco ficou bem sinistro, principalmente com esses olhões brancos e as marcas de olheira contornado nos olhos. Abaixo mais algumas fotos dele:




   Assim como o Ryu, os cabelos do Ken também são o maior destaque no quesito detalhes da figura do Violent Ken e os detalhes nos olhos que o deixaram bem sinistro. como foi dito acima. De resto, não vi nada demais no Violent Ken. Ele é uma figura OK, e nada mais que isso. 
    Uma coisa que vale destacar no Violent Ken é que ele não veio com nenhuma falha de pintura, isso mesmo, nenhuma! Um feito e tanto para um boneco da Funko, que, mesmo com uma aparente melhoria no seu controle de qualidade, ainda sim sempre escapa um detalhe aqui ou ali. Algo que não aconteceu com o Violent Ken.


    No geral eu gostei bastante da caixa de 30 anos do Street Fighter da Funko exclusiva da Gamestop. Mesmo vindo menos conteúdo se comparado as Caixas da Marvel e DC e até mesmo Disney, ainda sim possuí conteúdo respeitável e feito para agradar pessoas que procuram por um conteúdo maior de bonecos, algo que as outras caixas (com exceção da Disney Treasures) na maioria das vezes não oferecem. 
    Para quem gosta dos bonecos da Funko Pop, e são fãs de Street Fighter, essa caixa de 30 anos de Street Fighter será um prato cheio para comemorar os 30 anos dessa franquia de lutadores de rua extremamente estereotipados da Capcom. De todas as caixas da Funko que fiz unboxing, certamente a do Street Fighter foi uma das três melhores caixas, na minha opinião.
    Com a caixa da Gamestop finalmente aberta e analisada, posso dizer que por enquanto se encerra a série de unboxing de uma de cada caixa de colecionador da Funko.Se a Funko lançar outra linha de caixas de colecionador, certamente voltarei para fazer unboxing e review de uma das caixas. 
    Por fim, caso tenha interesse em ver os unboxings das outras caixas da Funko que fiz, basta clicar nos títulos abaixo que você será direcionado para as postagens das respectivas caixas:








Obrigado pela visita.

Continue lendo